sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Fim de obras?


7 dias de obras..
7 dias de suplicio..
7 dias que não deram em nada..

Por mais incrivel que possa parecer, tive saudades de escrever aqui.

Senti constantemente a necessidade disso até.
Nunca pensei que algum dia me fosse apegar tanto assim, a algo tão 'banal' como um blog.
Nunca pensei que me fosse acostumar assim tanto a desabafar com o teclado.


Passei o fim-de-semana com a Sara.
E, nesse dito fim-de-semana, ela disse-me algo, e até agora, tenho-me andado a questionar na veracidade da sua opinião.
N'altura fiquei algures entre a concordância e a discordância sem saber muito bem por qual optar (e agora, ainda estou no mesmo).

Ora, o resultado da frase proferida por ela, foi que tenho, desde sabado, dois demónios à batatada na minha mente, a desarrumar o que nunca foi arrumado.
E, aqui vai, uma tentativa, vã, de explicar a minha mente:

Demoniozinho1 - A Sara tem toda a razão. Estás-te a iludir. E pior, a ilusão é uma opção tua.
(e pimbas, manda o Demoniozinho2 contra as 'gavetas' do fundo da 'casa', que as parte, e espalha dezenas de memórias antigas pela 'casa' toda).

Entretanto, lá de levanta o D2 já a sangrar do nariz para argumentar - Se tudo não passa de uma ilusão, porque é que está a doer tanto? Porque é que custa? Porque é que já não faz tudo parte do passado, como de todas as outras vezes?
(e pronto, D1 enviado contra o sofá que vira para trás)

D1 (com uma costelita partida) - A razão tem razões que a própria razão desconhece.
(D1 enviado contra a parede desta vez)

D2 - Deixa lá os clichés de parte, e dá-me argumentos válidos. Senão esta guerra está ganha. Tu não dizes coisa com coisa, não me apresentas motivos válidos. Explica-me o porque de eu sentir o que sinto. Explica-me como tudo isto pode ser só uma ilusão, e eu dar-me-ei por vencido. Até lá, apenas levas porrada.
(e mais um pontapé no D1, que neste momento, de tanto sangrar já parece uma fonte a jogar água)

D1 - Não te sei explicar o que sentes, nem de onde vem este sentir. Agora explica-me tu, o brilhozinho no olhar, as memórias todas que afluem na mente no exacto momento em que não devem, o olhar melancólico e o sorriso triste.

E pronto, fica o D1 agarrado ao D2, que se fossem mulheres podiamos dizer que estaria uma a puxar o cabelo da outra por tempo indeterminádo.
Uma batalha até à exastão, que por enquanto não se sabe quem ganha. Nem há preferidos a ganhar (isto é, haver até há.. eu preferia o D2).


Enquanto tudo isto sucede, eu observo, do 'lado de fora', como se não fosse nada comigo.
Eu, na audiência, do filme que é a minha vida.
Eu, sem poder interferir.
Eu, na dúvida.

No final, fico eu, a voltar a arrumar as memórias nas respectivas gavetas.
No final, fico eu a duvidar de tudo, e mais umas quantas coisas.


Mas a realidade, é que no final, eu só faço curativos no Demoniozinho2, só a ele é que trato das feridas. Só a ele arranjo desculpas para a irresponsabilidade dos seus actos.
Só a ele eu não critico, e só o defendo a ele também.
No fundo, é o meu protegido.
No fundo, é o meu protector.
No fundo, quero que ele esteja certo, e tenho medo da veracidade das suas palavras.

Na realidade, estou farta desta luta constante, que já dura à 6 dias.

Queria compreender o ser humano.
Queria compreender o sexo oposto.
Queria compreender-me.
Queria compreender estes demónios que me assolam a mente, juntamente com as dúvidas que eles sismam em trazer com eles.
Enfim, life is life..

Andei a fazer testes no site da Radio Comercial, e guardei os resultados para mais tarde recordar =P

Eis-los: :D






Não é o meu favorito, e.. prefiro voar, a andar de batmobile, mas a cavalo dado não se olha o dente. E já agora, onde anda o meu Robin, alto, espadaúdo, moreno (ou loiro), de olhos verdes (ou azuis, não sou lá muito esquesita)? :P






é pá, eu até sou apologista da paz no mundo. Mas isso não é prenda que se ofereça |:
Ainda se fosse um carro ou chocolates (que li no outro dia excitam 4x mais que um orgasmo).






Sou uma abusadoira |: -.-'''






ihihihihihihi :$
sou única. E especial. :D
E diferente. E sra do meu nariz.
E ia cantar logo c o gaijo que brinca com a voz como o Freddy Mercury..
hihihihihihihi :$ :$ :$ :$
je suis magnifique! :D trés bien :)



Eles esqueceram-se de dizer, que eu era a Carrie porque:
também sou loira, e de olhos azuis. E tb tenho alta crush na maior parte das crushes dela.
Ah, e também escrevo crónicas para o jornal, que posteriormente são lidas por 1036734643 pessoas :)



Não é que pistacho seja mau.. mas prefiro (assim mesmo mesmo muito) frutos silvestres... :P





Com esta fiquei bué triste..
Eu queria ser a cena dos cartazes do Love Actually :'(
Ao menos é um filme com a Meg Ryan. :x



Um elevador?????? Aie..
De que tipo? Daqueles velhos ou dos novos?
E não sou adepta de coisas assim tão rapidas. |:




Bem.. mas como é a selecção que ainda tinha o Figo, até nem me importo muito com a comparação =P
(sim, eu vi-o ali! não me escapa nada)



Nc vi |: algum fan perdido na audiência que me diga se a série era boa. |:



Por acaso, é das poucas musicas que eu gosto dele.
Mas daí até eu ser essa musica.. hmmm.. desconfio |:


P.S.: Um dos meus demónios bem que se podia parecer com o Julian McMahon :| (fazia de demónio em Charmed e de Christian Troy em Nip Tuck).
P.P.S: A todos vocês que estavam habituados aos meus comentários constantes, tenho que pedir desculpa, mas não sei porque, volta e meia o youtube embirra e eu não consigo ver videos, e não me sinto à vontade para fazer comentários a videos que não consigo ver.. |:

2 comentários:

Niu_esi disse...

é lá! isto foi um post que valeu pelos 6 dias! :D :D :D
Ainda bem que voltaste!

Luis Cruz disse...

obrigado!:D
mas agora no fim de semana é escusado escreveres,não tenho net de jeito:P
Alguem de TDM(é assim,não é?) que escreve assim,programa como? deve ser do tipo:

«html»
«body»

«script type="text/javascript"»
document.write("Na véspera de não partir nunca
Ao menos não há que arrumar malas
Nem que fazer planos em papel,
Com acompanhamento involuntário de esquecimentos,
Para o partir ainda livre do dia seguinte.
Não há que fazer nada
Na véspera de não partir nunca.
Grande sossego de já não haver sequer de que ter sossego!
Grande tranqüilidade a que nem sabe encolher ombros
Por isto tudo, ter pensado o tudo
É o ter chegado deliberadamente a nada...");
«/script»

«/body»
«/html»

post scriptum: É Fernando Pessoa... ainda não bebi Absinto que chegue de manhã. e as aspas ou caraças teve que ser,pa poder ser feito...
beijoca!