quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Quero.

Entro. Procuro-te no meio das inúmeras pessoas presentes. Encontro-te. Os meus olhos sorriem. O coração bate a 100 pm. Dirigo-me a ti como se não tivesses qualquer importância.

Sorrio perante a estupidez dos meus actos.

Sento-me à tua frente e desejo estar ao teu lado.

Vem alguém perguntar se quero alguma coisa, respondo que não sem olhar.

Apenas tenho olhos para ti.


Perguntas-me o que quero fazer, e eu encolho os ombros.
Não te digno com uma resposta porque não existe resposta.
A única coisa que me importa é que tu estejas presente.

Chateias-te comigo porque és sempre tu a decidir tudo.
Os meus olhos param de sorrir, o meu coração não te compreende.
Como é que não vês que tu és o que eu quero.

Quero andar de mãos dadas contigo no meio da rua, ou seja onde for.
Quero ver-te de costas e levantar-me só para te ir informar como essas calças te ficam bem.
Quero falar contigo, nem que seja para ter monólogos.
Quero acordar e ver-te a dormir.
Quero tudo que te inclua a ti.




--------
Isto estava escondido nos rascunhos aqui do blog.
Limitei-me a mudar-lhe a data.

1 comentário:

Tiago disse...

E ainda bem que o publicaste. Ou, se calhar, merecia estar escondido. Porque há coisas são património dos outros, e outras que são exclusivamente nossas.

É o mal de ter um blog. Traçar fronteiras do que deve ou não ser comunicado.